quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

É Natal de novo!

O ano voou e o mais uma vez estamos em meio a correria do Natal. Assistindo a TV, a maioria das notícias gira em torno das compras de última hora nos shoppings e ruas populares das grandes capitais.

Duas coisas me chamam atenção nessa manhã de véspera de Natal: o menino Sean, por decisão da justiça brasileira, volta para os Estados Unidos com seu pai biológico e o rapaz Rodrigo, baleado na cabeça em assalto na Gávea, volta para casa após 19 dias de internação.

Fico imaginando o misto de sentimentos que embalam essas duas histórias. A família e amigos do estudante podem comemorar o milagre da vida, onde só Deus explica que realmente não era a hora desse rapaz e mais um Natal será de alegria depois de tantas lágrimas.

Já a família brasileira do menino Sean terá um Natal inesquecível pela perda da guarda provisória de um menino que já vivia a cinco anos, mais da metade de sua vida, com seus avos e padrasto. Nessa história de Sean eu não julgo quem está certo ou errado. A justiça está sendo cumprida. Mas e essa criança? Um Natal em meio a estranhos, sem chance de expor suas vontades. O pai tem direitos, ninguém diz o contrário, mas cá entre nós, uma opinião bem pessoal, acho que o maior sentimento dele nesse momento não é de felicidade e sim de vitória. E quem perde???

Essa época é mesmo uma confusão de sentimentos. Tantos meninos e meninas compartilhando presentes. Tantos meninos e meninas compartilhando nada. Tantas famílias felizes, tantas famílias sofrendo. Porque nessa época nada passa batido, é quase uma obrigação rever a vida e rir e chorar e rezar e fazer promessas de que em breve tudo será diferente.

Boa promessa a todos!

Um Natal abençoado.

domingo, 20 de dezembro de 2009

Ainda não foi dessa vez...


Mas a culpa não foi minha, eu juro!

Tá, não vou jurar, porque não peguei em um livro, mas rezei bastante. Deus deve estar me achando uma cara de pau!!!

A UERJ terá que ficar para a próxima tentativa, no meio do ano.

Só espero que na próxima prova eles coloquem nas questões de física e matemática a opção


( ) Não faço a menor déia!!!

ou

( ) Posso consultar a apostila?


De qualquer maneira estou feliz. Quase 20 anos se passaram do meu último vestibular e não foi tão vergonhoso assim. Acertei todas as respostas de inglês e só dei mole em uma de questão de português, uma de história e uma de geografia. O que matou mesmo foram as matérias que não tenho contato nunca – física, química e biologia.

E também fiz uma boa redação e acertei todas as questões discursivas, que não serão corrigidas por não alcançar média nas objetivas. Definitivamente não sou boa de ‘chutes’... rsrsrs

O jeito é trabalhar, trabalhar, trabalhar, enquanto o estudo não vem!


"Não saco nada de física
Literatura ou gramática
Só gosto de educação sexual
E odeio química
Química
Química"

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Renatas, Maria, Caipirinha de Jaca e Tapioca!

O sábado começou com uma dorzinha enjoada de cabeça sem explicação. Eu não estava de ressaca. Coloquei um analgésico pra dentro e toquei o dia. À tardinha eu já havia combinado de descer a Serra com amigos para um programinha um tanto inusitado: Centro Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas ou, simplesmente, a Feira de São Cristóvão. Teria show do amiguíssimo César Nascimento e não podia perder a cia deliciosa de queridos em festa tão peculiar.

Antes de pegar o caminho, parada num posto para abastecer - o povo, de cerveja. (Motorista consciente, César não bebe!) No carro a conversa rola solta e são só risos, mesmo com a bexiga estourando em busca de um banheiro. Fala-se mal dos vizinhos que não conhecemos, fala-se bem dos que conhecemos pouco, conta-se histórias boas, velhas, novas, como foi o ano, desejos para o próximo.

Socorro, “as meninas” precisam de um banheiro!!!!

O trânsito agarra na Lagoa por conta da árvore de natal que nunca consegui ver. Na Lagoa?? Espere, explico. Antes de São Cristóvão o combinado era pegar uma amiga em Ipanema: Maria, uma espanholíssima farreante que acabou de chegar de Ilhéus onde tomou caipirinha de jaca e comeu raspadura! - Maria, você é única!!!!

Todos no carro? Agora é partir para o show. E a conversa continua mais animada que nunca. E nao é que resolveram contar segredos sórdidos do meu passado??? Como assim??? Eu fui aquele baile funk enganada. Era uma carona pra casa e mudaram o itinerário sem me avisar... rsrsrs... O que não faz a cachaça...

Enfim, a feira. Muito barulho, muita gente, muito forró, muita cerveja. Lá tudo é muito. O show foi ótimo. César encanta e os meninos da Tribo de Gonzaga fazem bonito, cheios de energia. Quem gosta de dançar se esbalda, nunca fui tão solicitada a mexer o esqueleto como lá. Como não sei dançar, recusava educadamente e continuava curtir show. Para os mais insistentes inventava um namorado ou marido perdido pela festa e ficava tudo certo, o povo respeita. Eram muitas apresentações na mesma noite e o camarim era um show a parte: meninas em trajes preto/pink com sutiãs de paetês e calcinhas rendadas a mostra se aqueciam e alongavam de modo duvidoso junto de meninos de camisetas coladas e chapinhas no cabelo. Eram os bailarinos de um grupo de forró sensação da noite!!

Bem, comi carne de sol, baião de dois, tapioca. Comprei castanhas e quebra queixo (até o natal a dieta será reforçada!) e subi a serra morta de cansada, mas feliz. O dia amanhece, coloco a chave na porta e só me lembro de desmaiar na cama...

E a dor de cabeça???

Programas divertidos com pessoas amadas curam qualquer dor!!!


quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

"Aparentemente Nerd, Inteligentemente Cool"


Eu sempre gostei de séries, tanto as de comédia como as de drama. Acho uma forma ‘inteligente’ de usar a TV para relaxar. Você acompanha as vivências dos personagens sem ficar presa como se fica com novelas que são diárias. Semanalmente assiste um novo episódio de 23/25 minutos, que ao final de uma temporada de 16 ou 20 capítulos tira férias e dá aquele gostinho de ansiedade pela próxima temporada.

A minha série da vez é The Big Bang Theory. Dois cientistas, seus dois amigos e uma nova vizinha exibem um humor de altíssima qualidade utilizando exatidão científica e muitos chichês na melhor visão nerd do mundo.

Impossível não rir com tantas tiradas inteligentes de personagens totalmente fora dos nossos padrões...


A série enfoca a dinâmica entre os colegas de apartamento, os físicos Leonard e Sheldon, e a nova vizinha do prédio, a bela Penny, que desperta a atenção de Leonard à primeira vista. Leonard e Sheldon recebem frequentemente a visita de seus dois amigos e também colegas de trabalho na Universidade, Rajesh e Howard, e juntos usam o tempo livre para todo tipo imaginável de divertimento nerd: de palavras cruzadas em idioma Klingon, passando por maratonas de séries de ficção científica às sagradas noites de quarta jogando Halo. Penny aos poucos vai se integrando a esse estranho novo ambiente, onde ouve discussões sobre a física do super-homem e mecânica quântica, enquanto os intelectuais são apresentados a novos conceitos, como o amor.


Leonard Hofstadter - interpretado por Johnny Galecki.
Leonard é um físico experimental da CALTECH. Possui intolerância a lactose, característica que lhe rende inúmeros constrangimentos e piadas. Detém ainda um histórico de breves (brevíssimos) relacionamentos, mas sua grande paixão é pela vizinha Penny, de quem, por vezes, tenta encobrir alguma de suas características nerd, mas o kit de xampu e condicionador Star Wars combinado a suas alusões a teorias científicas em quaisquer conversas casuais são indícios de que é inútil negar.


Sheldon Cooper - interpretado por Jim Parsons.
Sheldon é um gênio desde criança. Já aos 14 anos, concluiu sua graduação. Convivendo com suas inúmeras excentricidades está seu minúsculo círculo social, embora ele discorde e considere que tem muitos amigos, afinal são mais de 200 no MySpace. Como físico teórico, Sheldon atualmente se dedica à "Teoria das Cordas", utilizando os conhecimentos de seus dois PhDs e Mestrado.


Penny - interpretada por Kaley Cuoco.
Penny é uma linda loira que vem de Omaha, no Estado de Nebraska, para se tornar atriz em Los Angeles, mas acaba trabalhando como garçonete em um restaurante. Definitivamente não é nenhuma intelectual, embora seja bem atualizada em cultura pop e surpreenda a todos com suas habilidades em jogos online, nos quais apresentou notável propensão ao vício. Extremamente desorganizada e um tanto "desligada", encantou Leonard desde o primeiro momento.


Rajesh Koothrappali - interpretado por Kunal Nayyar.

Rajesh é um astrofísico indiano que não gosta de comida indiana. Por sua descoberta de um planetóide (que denominou "Planeta Bollywood") teve seus 5 minutos de fama ao ser apontado pela revista People como um dos "30 abaixo dos 30 anos a se ficar de olho". Tímido ao extremo, Rajesh é absolutamente incapaz de falar com mulheres, a não ser sob efeitos químicos.


Howard Wolowitz - interpretado por Simon Helberg.

Howard trabalha no departamento de física aplicada da CALTECH, onde é engenheiro e projeta equipamentos para a NASA. Poliglota, utiliza cantadas em todas as línguas na tentativa de conquistar corações femininos. Portador de uma auto-estima astronômica, o único assunto que fere seu ego é o desprezo alheio por seu Mestrado em Engenharia, em contraponto aos seus colegas de departamento com coleções de PhDs.


The Big Bang Theory é transmitido no Brasil pela Warner Channel toda terça às 21:30h com várias reprises ao longo da semana.