sexta-feira, 6 de abril de 2012

Interna(mente)


Um dia ela se viu aconselhando,
arrumando soluções para problemas dos outros,
sem nem sequer perceber que sua vida andava uma bagunça.
Existia ali, dentro daquela cabeça cheia de conselhos,
um nó que só ela podia desatar,
mas que a cada passo o apertava ainda mais.
Contraditório, não?
Absurdamente sem sentido.
Mas é nesse caminho cheio de desvairadas 'desrazões' que ela vivia feliz!