quarta-feira, 5 de maio de 2010

Volta do mundo, mundo dá volta!!!






No último sábado a programação foi o que se pode dizer melhor impossível. Um pacotão de cinema, teatro e dança num dia de sol e noite fresca no Rio de Janeiro.

Alice na viagem da dupla Depp/Burton é excepcional. Opinião de mera espectadora, porque a crítica esta caindo de pau. Como eu não dou muita trela para críticos de cinema, ADOREI.


Corre de Botafogo para o Flamengo, cai no Espaço Oi e Paula Águas é encantadora com As Fábulas de Da Vinci, dança para crianças de todas as idades, uma delicia. Pausa para o café e tempo livre para andar a toa na Lavradio e no fim da feira. Quero pegar essa feira no começo e com dinheiro, porque é interessantíssima. E o teatro. Ali mesmo na Lapa, na Escadaria Selaron, Teatro da Cia dos Atores, As Engrenagens. Um texto quase bizarro , mas só quando esquecemos que a vida não é teatro. Bons atores, boa direção, boa produção deu no que deu: fechamento de sábado cultural com chave de ouro. Epa, fechamento não, faltou falar dos ótimos amigos que só engrandeceram o dia - Rosa, César, Laila e Renata, a Gaspar! e depois Joice Marino, a mãe sem vergonha dAs Engrenagens (rsrs) -, das conversas animadas na mesa do bar, da cerveja gelada que não podia faltar!


E quando estávamos subindo a serra, ou quando já estávamos na serra propriamente dita, o sono me atacou, mas anda escutava o radio ao fundo com Renata, a Gaspar, entusiasmada com uma versão de Parabolicamará do Gil.


“Pela onda luminosa
Leva o tempo de um raio
Tempo que levava Rosa
Pra aprumar o balaio
Quando sentia
Que o balaio ia escorregar”

- Isso e poesia de Gil, só ele mesmo, dizia a moça do banco da frente.


Casa, banho, desaba na cama...


Me esqueci desse detalhe até ouvir a tal versão outra vez na rádio na tarde de terça sem conseguir identificar quem a cantava. E não é que estava bonita mesmo. Fuça daqui, fuça dali, Santo Google me auxilia e descubro Anna Ratto.

Palhinha da página da moça: “Segundo cd de carreira, ‘Girando’ vem reafirmar a paixão de Anna Ratto pela cultura popular. Anna apimenta o tempero de sua apresentação com a influência marcante de ritmos do nordeste. Os arranjos mostram uma leitura modernizada, no estilo MPB pop, com o peso das alfaias do maracatu.”

Tem como ficar ruim???

É a dica, procurem para ouvir, conhecer e com certeza, gostar!

2 comentários:

Wal disse...

Eu ainda não assisti. -q

Vicky! disse...
Este comentário foi removido pelo autor.