sexta-feira, 6 de abril de 2012

Interna(mente)


Um dia ela se viu aconselhando,
arrumando soluções para problemas dos outros,
sem nem sequer perceber que sua vida andava uma bagunça.
Existia ali, dentro daquela cabeça cheia de conselhos,
um nó que só ela podia desatar,
mas que a cada passo o apertava ainda mais.
Contraditório, não?
Absurdamente sem sentido.
Mas é nesse caminho cheio de desvairadas 'desrazões' que ela vivia feliz!

7 comentários:

Alice disse...

Como se a liberdade que ele dava aos outros fosse o que alimentaria a própria liberdade? Adorei a imagem, na minha cabeça ela se encaixou direitinho com o post!

disse...

Meia alma, alma e meia. Na verdade meio eu, isso tudo! rs

disse...

Ahhh Dázinha!
Meio todas a mulheres do mundo.... todas sem razão, mas com todo o coração!

disse...

Alice, as vezes passo horas procurando uma imagem para encaixar num texto. Essa foi no primeiro minuto de procura e estava intitulada como "loucura"...
Tb achei perfeita!
Bjss

Margot Félix disse...

Acho que às aconselhamos na esperança de nós mesmos escutarmos o conselho.

Bjos!

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida Rê
Vendo a necessidade do outro podemos ajeitar as nossas...
Deus é fiel!!!
Bjm de paz e pascal

Betty Gaeta disse...

Oi Rê,
os melhores conselheiros são os que mais precisam de conselhos!
Estava com saudade de vir aqui...
Beijos 1000 e uma ótima noite para vc.

www.gosto-disto.com