quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Garantia


Os pés descalços na lida
O chão de terra batida
O rosto escuro de sol
As rugas cansadas da vida

E o peso da garantia
Garante a comida do dia

Firmeza que toca a madeira
O barro, o carvão e a cana
Não faz distinção da labuta
Sem gosto, sem medo ou ajuda

E o peso da garantia
Garante a comida do dia

Vai longe o menino que foi
No mesmo campo vadio
Trocou as peças do jogo
Pelas pedras do caminho

E o peso da garantia
Garante a comida do dia

Pesa a pedra, pesa o barro
Pesa o cansaço nos ombros
Quanto vale a garantia
Da barriga sempre vazia?

Nenhum comentário: