quarta-feira, 6 de agosto de 2008

À César o que é de César

Minha última postagem tem o texto "Para que serve uma relação?" que chegou as minhas mãos com autoria de Dráuzio Varella. Lá eu já colocava minha dúvida em relação a essa autoria.
Pois bem, o verdadeiro autor do texto é Martha Medeiros.

"Lendo a entrevista que o médico e escritor Dráuzio Varella deu para a revista
Marie Claire (2003), encontrei a definição mais simples e exata sobre o sentido
de mantermos uma relação: 'uma relação tem que servir para tornar a vida dos
dois mais fácil'.
Vou dar continuidade a esta afirmação porque o assunto é
bom e merece ser desenvolvido. Algumas pessoas mantém relações para se sentirem
integradas na sociedade, para provarem a si mesmas que são capazes de ser
amadas, para evitar a solidão, por dinheiro ou por preguiça. Todos fadados à
frustração." (e aqui sim, segue o texto)

Martha Medeiros (1961) é gaúcha de Porto Alegre, onde reside desde que nasceu. Fez sua carreira profissional na área de Propaganda e Publicidade, tenho trabalhado como redatora e diretora de criação em vária agências daquela cidade. Em 1993, a literatura fez com que a autora, que nessa ocasião já tinha publicado três livros, deixasse de lado essa carreira e se mudasse para Santiago do Chile, onde ficou por oito meses apenas escrevendo poesia.De volta ao Brasil, começou a colaborar com crônicas para o jornal Zero Hora, de Porto Alegre, onde até hoje mantém coluna no caderno ZH Donna, que circula aos domingos, e outra — às quartas-feiras — no Segundo Caderno. Escreve, também, uma coluna semanal para o sítio Almas Gêmeas e colabora com a revista Época. Seu primeiro livro, Strip-Tease (1985), Editora Brasiliense - São Paulo, foi o primeiro de seus trabalhos publicados. Seguiram-se Meia noite e um quarto (1987), Persona non grata (1991), De cara lavada (1995), Poesia Reunida (1998), Geração Bivolt (1995), Topless (1997) e Santiago do Chile (1996). Seu livro de crônicas Trem-Bala (1999), já na 9a. edição, foi adaptado com sucesso para o teatro, sob direção de Irene Brietzke. A autora é casada e tem duas filhas.

15 comentários:

Jéssica Alves disse...

Martha Medeiros é show de bola.

O triste é que seus textos sempre têm créditos do Arnaldo Jabor. Ainda vou entender isso.

=/

Erich disse...

Passei por momentos de ter medo da solidão, do que a sociedade ia achar, da frustração de não ter dado certo.....mas tive coragem e segui em frente.

Jonatas Fróes disse...

Não conhecia a Martha Medeiros, e confesso que o texto parecia mesmo do Drauzio Varella hehehehehe xD
Gostei muito dele mesmo, até salvei aqui =P

;*

http://musica-holic.blogspot.com/

Gambilandia disse...

Nem tudo que é escrito e reconhecido pertence a alguem muito famoso, até os famosos usam das palavras dos outros para se expressas.

Hugo Henrique disse...

GoStei da relação da autora sobre relacionamentOs, realmente faz todo o sentido, se bem que existem alguns pontos que serviriam de exeções, pontOs que fariam com que essa tese fosse enfraquecida... MAs enfim, legal também o seu interesse de procurar saber de fato quem era a dona do texto. POstar como seus textos de outros autores é como roubar algo deles, acho issO muito erradO!

;*
tudo de bom pra vc!

O Profeta disse...

Ai quem me dera agitar o tempo
Atirar a mágoa à voragem da noite
Arrancar as raízes ao pensamento
Sentir a paz que uma lagoa acolhe


Boa férias


Mágico beijo

O Autor, disse...

Recebi esse mesmo texto meses atrás, mas com a autoria "desconhecida". Bom saber que sua autora é brasileira.

Belo Blog!

Riso Certo disse...

belo texto... mas ainda n conheço a autora.

vou pesquisar...

bju

www.manufaturanova.blogspot.com disse...

Já ouvi falar de Martha, mas ainda n li nenhum livro dela. Tu lestes? Me pareceu algo meio auto-ajuda pelas sínteses que li!>.<"

;***

Luciana disse...

nossa, nao conhecia essa autora, e curti o perfil dela....quero ler esse geraçao bivolt.


adorei o blog ja me deu sugestao de leitura


bjs

Jonatas Fróes disse...

Oi Renata! Tudo bem?
Pow, eu olhei seus últimos posts pra ver se dava pra comentar em algum, mas descobri que eu já comentei em todos eles =P

Então, to só registrando minha visita aqui hehehehe... Não gosto de dar calote.

Beijo ;*

http://musica-holic.blogspot.com/

Jonatas Fróes disse...

Respondendo seu comentário:

Não não, a Ripley morreu o terceiro filme, mas clonaram as células tronco dela e ela reviveu no quarto filme. Porém a genética dela está defeituosa e contém DNA alien.

Ela matou o Alien híbrido com humanos que nasceu albino antes da nave deles chegar na Terra. Sobraram só ela e a andróide (Vivida por Winona Rider). Teóricamente, a continuação seria aqui no nosso planeta.

E eu acho que ela pode ser a Rainha Alien por causa do dna, não sei. Seria interessante hehe xD

;*

http://musica-holic.blogspot.com/

Anônimo disse...

Parabéns moça você escreve muito bem, seu blog é muito gostoso de ler gostei bastante.

RUBENS CORREIA
www.blogdorubinho.cjb.net

Ana Lucia Nicolau disse...

Já tive oportunidade de ler algus textos da Martha, gostei muito!

tiago disse...

Opa!
-
Realmente não a conhecia, confesso que algumas vezes até já ouvi falar. "Esse nome me é familiar..."
Bom saber sobre sua vida. Talvez eu leia algum livro dela.
-

Ah, na verdade "O Amor" não é um poema. Desculpa se deixei entendido isso. É um texto. Olha, vou conseguir o finalzinho pra você - que era desse final que eu estava falando - lá trás a mais bela descrição do que é o amor, particularmente achei isso.

-

Mas uma vez, parabéns pelo blog!
- Abraço!